Introdução


Variabilidade de frequência cardíaca (VFC)

A VFC ou alterações entre batimentos na frequência cardíaca funciona como um reflexo preciso e confiável de diversos factores fisiológicos que regulam o ritmo cardíaco normal. De facto, a VFC proporciona um poderoso meio de observação da acção combinada entre os componentes simpático e parassimpático do sistema nervoso autónomo. A VFC também é importante na determinação do grau de progressão de diversas patologias clínicas (diabetes, hipertensão, tireotoxicose, leucemia, diferentes tipos de doença oncológica, etc.). Por esta razão a VFC é usada como um dos melhores instrumentos de diagnóstico na medicina contemporânea. A aplicação prática do método, em termos ecológicos e profissionais, requer software e hardware. Os produtos VitalScan contêm estudos teóricos e clínicos com uma metodologia comprovada para a monitorização, acompanhamento e avaliação de pacientes.
No últimos 30 anos, a VFC recebeu uma maior atenção como indicador de previsão de factores de risco relacionados com doenças crónicas, taxas de morbilidade e envelhecimento. Hoje em dia a comunidade médica considera a VFC como um dos mais confiáveis indicadores do defícite de adaptação não-específico (NAD).

Conceito de NAD

Este conceito foi criado e desenvolvido pelo Prof. Dr. Svetoslav Daven, doutorado em ciências médicas, em conjunto com uma equipa de médicos associados. De acordo com este conceito, as doenças que apresentam risco de vida são precedidas por certas alterações não específicas. Estas alterações incluem uma diminuição da capacidade de adaptação a mudanças não favoráveis no ambiente externo ou interno.
O aumento das exigências e a diminuição da capacidade de adaptação criam um ciclo vicioso do qual as únicas saídas são uma doença letal ou a morte. Em termos fisiológicos o NAD baseia-se numa redução de eficácia do desempenho dos conectores negativos que têm um papel muito importante nas actividades de regulação dos centros de coordenação e na regulação de processos de vida básicos.

Sistema Nervoso Autónomo (SNA)

O sistema nervoso autónomo estende-se e está envolvido na função de todos os órgãos. Manifestações clínicas de disfunção autónoma estão presentes em toda as doenças. O processo patológico estrutural que afecta o cérebro, seja ele infeccioso, degenerativo, neoplásico ou hereditário, pode resultar num síndroma autónomo. Nos últimos anos a relação SNA/VFC tem sido usada com sucesso para determinar a influência negativa de uma panóplia de agentes causadores de stress, incluindo poluição do ambiente, problemas alimentares, desconforto psicossocial e diversos distúrbios comportamentais.
A monitorização VitalScan tem sido desenvolvida de acordo com os processos standard e matemáticos para uma análise VFC/SNA a curto prazo bem como para efectuar e avaliar o fluxo de pulso e testes de provocação autónomos.

Velocidade da Onda de Pulso (VOP)

A onda de pulso é um fenómeno fisiológico que pode ser observado e medido no sistema arterial durante a circulação sanguínea. Durante uma sístole cardíaca um certo volume de sangue é expelido. Este progride nas artérias devido a uma transformação recíproca entre a energia cinética de um segmento do volume de sangue expelido e a energia potencial de um segmento da parede do vaso distendido. Alterações de pressão, fluxo sanguíneo, velocidade e perfil podem ser observadas ao longo da onda de pulso. Pode ser usado para classificar a elasticidade da artéria. A condição das pequenas e grandes artérias é fundamental na prevenção e diagnóstico de doença cardiovascular. A rigidez e a distensibilidade das principais artérias são fortes indicadores de potenciais problemas de saúde incluindo enfarte, insuficiência cardíaca, esclerose e complicações renais. Análises da VOP e de índices de rigidez arterial (EEI, DDI e DEI) podem permitir ao profissional de saúde uma antecipação do tratamento adequado previamente ao aparecimento de sinais clínicos ou sintomas.
A idade e a pressão sistólica correlacionam-se fortemente com a VOP. De facto, a idade é o factor que mais contribui para o aumento da VOP devido ao aumento da rigidez arterial causada por calcificação e perda de elasticidade. A medição da VOP é útil no estudo dos efeitos do envelhecimento, doenças vasculares e agentes vasoconstritores e vasodilatadores das artérias.
A medição da VOP no VitalScan é um conveniente método para quantificar a rigidez e distensibilidade arterial. A VOP fornece uma compreensão inestimável ao nível da saúde cardiovascular, gestão de progressão da doença e monitorização do efeito da medicação, tratamentos, estilo de vida e hábitos alimentares.