Resposta Simpática Da Pele (SSR)


Introdução


A resposta simpática da pele (SSR) mede as alterações do potencial eléctrico da pele. O potencial da pele gravado advém da glândula sudorípara écrina. A amplitude e a configuração são ajustadas pelo epitélio da glândula sudorípara e da epiderme sobrejacente.

Base Teórica E Métodos


O primeiro relatório sobre a resposta galvânica da pele apareceu em 1890. Desde então, têm vindo a ser apresentadas várias terminologias com base em diferentes métodos de estimulação e registo (por ex., actividade electrodérmica, resposta simpática da pele [SSR], potencial de superfície autónoma periférica, reflexo psicogalvânico e resposta simpático-galvânica [SGR]). Um método standard de obtenção de SSR é por meio da colocação de um eléctrodo de registo sobre as superfícies palmar e plantar, já que estas produzem amplitudes maiores. É colocado um estimulador no nervo tibial ou mediano do membro oposto, e o estímulo é dado aleatoriamente, a um ritmo inferior a um por minuto e com uma intensidade de estímulo suficiente para provocar dor ligeira. Devem ser registadas 2 a 10 respostas, e é possível obter respostas de SSR em 60% a 100% das vezes em sujeitos normais. As formas de onda são geralmente trifásicas, com uma pequena onda inicial negativa seguida por uma onda grande negativa, e por outra onda negativa prolongada. As formas de onda também podem ser monofásicas ou bifásicas, com um pico inicial negativo ou positivo. São medidas as amplitudes pico-a-pico máximas e as latências médias. A variação da amplitude e da latência pode ser minimizada reduzindo a frequência do estímulo, aumentando a intensidade do estímulo e/ou alterando o local ou o modo do estímulo. Baixa temperatura da pele, baixo nível de atenção, medicação (especialmente anticolinérgicos), idade e habituação também irão atenuar a resposta. A amplitude normal é de mais de 1 mV para a mão, e mais de 0,2 mV para o pé. A latência palmar média é de 1,4 ± 0,1 segundos e a plantar de 1,9 ± 0,1 segundos. A SSR mede a mudança de resistência da epiderme devido à actividade das glândulas sudoríparas. O membro somático aferente depende do tipo de estímulo (choque eléctrico, ruído alto, ameaça visual, respiração profunda); com a estimulação eléctrica, o membro aferente ocorre através de grandes fibras mielinizadas. O membro eferente é uma via simpática, que é originada no hipotálamo posterior e que desce pela espinal medula para a coluna celular intermédia-lateral e para os gânglios paravertebrais, e finalmente para a glândula sudorípara através de pequenas fibras mielinizadas.