Introdução Da Análise Da VOP


A principal causa de morte e doença fatal em homens e mulheres é a doença cardiovascular (DCV). Em 1948, o Framingham Heart Study, sob a direção do Conselho Nacional do Coração, Pulmão e Sangue (CNCPS) iniciou uma investigação sobre os fatores e características que contribuem para as doenças cardiovasculares. Enquanto as ferramentas e a extensão das análises foram limitadas pelo tempo, a forma da onda de pulso foi um parâmetro importante coletado durante o estudo. Os pesquisadores descobriram que uma inspeção visual dos padrões da onda de pulso estava precisamente correlacionada com um risco aumentado do desenvolvimento de doenças cardiovasculares (DCV).

Pesquisadores do Hospital St. Thomas recentemente revisaram essa observação impressionante. O grupo do St. Thomas trabalhou sobre as descobertas iniciais para demonstrar que o volume do pulso do dedo derivado de uma sonda digital fotoplestimográfica está diretamente relacionado com o pulso da pressão da artéria radial e braquial.

O pulso é criado quando o coração bombeia o sangue e o sangue propaga-se através das artérias. O primeiro componente da forma da onda do Volume do Pulso Digital (VPD), (ou seja, a componente sistólica, mostrada abaixo em azul ) resulta da propagação direta do pulso a partir da raiz da aorta para o dedo. Enquanto o pulso viaja para baixo do braço, o pulso direto bomba ao longo da aorta para a parte inferior do corpo. Isso causa mudanças do diâmetro arterial e das bifurcações que resultam em parte do pulso que está sendo refletido de volta. Estas reflexões culminam em uma única onda refletida da parte inferior do corpo que viaja até a aorta, em seguida, até o dedo, formando o segundo componente VPD (ou seja, o componente diastólico, mostrado abaixo em verde). O braço age como um canal tanto para a onda transmitida diretamente como para a onda refletida tendo assim pouco impacto sobre o contorno VPD.

Os contornos da forma da onda VPD estão diretamente relacionados com a rigidez das grandes artérias e do tônus vascular. Como resultado, as características da forma da onda VPD podem mudar de acordo com estes fatores.



Velocidade da Onda de Pulso (VOP)

No sistema arterial, observamos e medimos a Velocidade da Onda de Pulso (VOP) durante a circulação sanguínea. Este fenômeno fisiológico fornece informação importante sobre as alterações na pressão arterial, no fluxo, na velocidade e no perfil. Estas alterações da onda de pulso podem ser utilizadas para classificar a elasticidade arterial. Veja o diagrama abaixo para uma explicação detalhada:

S (Ponto inicial da onda de pulso arterial)
A válvula aórtica abre; o sangue do ventrículo esquerdo é expelido.

P (Onda de percussão)
Onda causada pela ejeção do VE, que aumenta de forma linear a parede arterial.

T (Onda de refluxo)
Onda refletida da artéria pequena.

C (Incisura)
Ponto final da fase sistólica, valva aórtica é fechada.

D (Onda dicrótica)
Onda oscilatória refletiva que ocorre a partir da queda do sangue para válvula aórtica através da pressão da aorta.



As doenças e as enfermidades cardiovasculares estão diretamente relacionadas com a condição das pequenas e das grandes artérias. A rigidez arterial e o aumento das principais artérias é um precursor poderoso para potenciais problemas de saúde, incluindo insuficiência cardíaca, complicações renais, esclerose e ataques cardíacos. A idade e a pressão sistólica são os fatores mais importantes no aumento da VOP. Durante o processo de envelhecimento ocorre a calcificação medicamentosa e a perda de elasticidade das artérias. Como resultado, a medição VOP é útil para o estudo dos efeitos do envelhecimento, das doenças vasculares, dos agentes vaso dilatadores e vaso constritores das artérias.

Medida da Velocidade da Onda de Pulso:
• Analise rápida e objetiva do funcionamento do sistema vascular
• Quantifica a rigidez e o aumento arterial
• Fornece uma visão sobre a saúde cardiovascular
• Facilita a monitorização da medicação, tratamentos, estilo de vida/dieta
• Auxilia na gestão da progressão da doença

Análise da VOP

A análise da VOP é amplamente reconhecida pela Sociedade Europeia de Hipertensão como parte integrante do diagnóstico e tratamento da hipertensão arterial (isto é, pressão alta). Existe uma correlação comprovada entre a VOP e as doenças, os eventos e a morte relacionada com o sistema cardiovascular.

Os índices de rigidez arterial (ÍEE, ÍDD e ÍED) podem sugerir informações vitais para os profissionais de saúde. O teste fornece uma análise rápida e objetiva de como o sistema vascular está funcionando. Esta informação é útil para informar e orientar os profissionais de saúde (ou seja, os dados podem ser utilizados na decisão de prosseguir o tratamento antes de mostrar sintomas ou sinais clínicos).

A análise VOP determina se o sistema vascular está funcionando corretamente, sem quaisquer limitações que possam produzir riscos à saúde. Um coração saudável fornece oxigênio e nutrientes de forma eficaz para todo o corpo enquanto bombeia resíduos para os rins, o fígado e os pulmões para que sejam removidos. Para que isso ocorra, as artérias devem estar em boas condições. As artérias pode se tornar aterosclerótica, arteriosclerótica, ou endurecidas (tendo a elasticidade reduzida e um estreitamento aumentado) ao longo do tempo. Esta mudança sobrecarrega o coração, as válvulas e as artérias, que pode levar a um acidente vascular cerebral, a um ataque cardíaco, a insuficiência renal e/ou a morte súbita.

A rigidez arterial causada pela calcificação medial e a perda de elasticidade (isto é, o envelhecimento) é o fator mais importante que contribui para um aumento da VOP. A velocidade da onda de pulso (a VOP é uma medida eficaz e altamente reproduzível) é utilizada para avaliar a disfunção do endotélio vascular (isto é, a elasticidade da artéria) e a rigidez arterial.

Visão geral

A propagação do sangue através das artérias ocorre durante uma única sístole cardíaca. O sangue viaja através das artérias devido a uma transferência de energia cinética de uma área de volume de sangue expulso, para uma área distendida da parede vascular de potencial energia. Consequentes mudanças ocorrem na pressão, na vazão, na velocidade e no perfil. Estas alterações correspondem ao fenómeno fisiológico conhecido como onda de pulso e pode facilmente ser observado e medido para utilização na análise da elasticidade arterial.

Correlações

A idade é o fator mais importante que contribui para o aumento da VOP. A rigidez arterial ocorre devido à calcificação e à perda de elasticidade que acompanha o envelhecimento. Estudos sugerem que um aumento da VOP pode ser um precursor para o desenvolvimento da aterosclerose (como a diabetes), enquanto outra pesquisa indica que não há aumento significativo da VOP com a idade em indivíduos já predispostos a aterosclerose (ou seja, a hipercolesterolémia familiar). Dito isto, foi estabelecida uma associação qualitativa entre o processo da aterosclerose e a rigidez arterial.

A pesquisa mostra que a hipertensão, mais do que a aterosclerose, contribui para um aumento da rigidez arterial relacionada à idade.

Enquanto a pressão arterial é um valioso indicador de primeiro nível de hipertensão, a VOP fornece mais detalhes. A análise da VOP mede o movimento da parede arterial através da indução de movimento através da pressão de pulso induzido pelo barorreflexo.

O dano nas grandes artérias contribui para o aumento das taxas de doença e de morte cardiovascular observado em condições como a hipertensão. A distensibilidade arterial associada a este dano contribui para um aumento desproporcional na pressão sistólica e de pulsatilidade arterial. Estes fatores estão associados a um aumento da morbidade e da mortalidade cardiovascular. A análise da onda de pulso fornece o conhecimento sobre a rigidez arterial e a distensibilidade que são valiosos no estudo do envelhecimento, das doenças vasculares e dos agentes que dilatam ou contraem as artérias.

Pacientes que sofrem de Diabetes Mellitus e de doença arterial coronária frequentemente apresentam redução do desempenho arterial nas artérias não ocluídas.

Durante a aterosclerose, as paredes das artérias tendem a espessar, a endurecer e a estreitar tornando-as menos eficazes em absorver a energia do pulso de pressão sanguínea. Este, por sua vez, aumenta a VOP.

Determinar a condição das grandes artérias é fundamental para o diagnóstico precoce, o tratamento e a prevenção de doenças relacionadas com o sistema cardiovascular. A análise da rigidez arterial fornece um enorme conhecimento sobre potenciais problemas de saúde, incluindo ataques cardíacos, insuficiência cardíaca, diabetes e complicações renais.

Medindo a VOP através de uma sonda de dedo

Quando o coração se contrai, produz uma onda incidente que viaja até o dedo. Esta onda é refletida na parte inferior do corpo e também se desloca para baixo até o dedo. É esta combinação da onda incidente e da onda refletida que é medida e registada pela sonda de dedo.



Volume do Pulso Digital (VPD)

O primeiro componente da forma de onda (ou seja, o componente sistólico) do Volume do Pulso Digital (VPD) resulta da propagação direta de pulsos a partir da raiz da aorta para o dedo. Enquanto o pulso viaja para baixo do braço, o pulso direto bomba ao longo da aorta para a parte inferior do corpo. Isso faz com que as alterações de pressão arterial que refletem o pulso voltem ao dedo.

As reflexões culminam em uma única onda refletida da parte inferior do corpo que vai até a aorta, e em seguida, até o dedo, formando o segundo componente VPD (ou seja, o componente diastólico). O braço age como um canal tanto para a onda transmitida diretamente como para a onda refletida tendo assim pouco impacto sobre o contorno VPD.

Medição do Volume do Pulso Digital (VPD)

A VPD é medida pela transmissão de luz infravermelha através do dedo. A quantidade de luz absorvida é diretamente proporcional ao volume de sangue no dedo.
Um sistema de controle é utilizado no local, para manter um ótimo nível e permitir a medição das mudanças de volume de sangue. Isto minimiza o potencial para sinais inexatos devido a vasoconstrição ou a baixa perfusão.

Medição da Rigidez Arterial

O Sistema da VOP é altamente eficaz em estimar a rigidez arterial. Usando os dados do volume do pulso digital obtidos a partir do sensor de infravermelhos colocado no dedo, o Sistema da VOP determina o tempo que leva para as ondas de pulso viajarem através das artérias. O formato da onda derivada desta medida correlaciona-se diretamente com o tempo necessário para que as ondas de pulso viagem através do sistema arterial. A velocidade com que o pulso viaja através das artérias está diretamente relacionada com a rigidez arterial. Portanto, esta medida faz da VOP uma ferramenta valiosa e não invasiva para avaliar as alterações vasculares.
Relevância Clínica da Rigidez Arterial
A forma de onda VPD medido pelo Sistema da VOP é independente das alterações da vascularidade, mas sim, determinada pela rigidez arterial (estimado pelo IS) nas artérias grandes e tónus vascular (estimado pelo IR). A rigidez arterial efetivamente mede a saúde do órgão e dá uma visão sobre as mudanças necessárias no estilo de vida ou para um tratamento com drogas. É também um poderoso indicador de uma série de riscos de saúde, incluindo doenças cardiovasculares relacionadas.

Medição da Função Endotelial

Além da rigidez arterial, o Sistema da VOP determina eficazmente o tónus vascular da árvore arterial. Usando um transdutor de fotopletismografia de alta fidelidade com o circuito de condicionamento de sinal, o Sistema da VOP mede a forma da onda do VPD. Um sistema de controlo poderoso mantém o nível de transmissão ideal para medir as mudanças de volume de sangue com extrema precisão, independente do tamanho do dedo. O sistema é não invasivo e não depende de um operador para medir a rigidez arterial e tônus vascular.

Relevância Clínica da Função Endotelial

O Sistema da VOP pode ser utilizado para observar e medir as mudanças na forma da onda da VPD devido a dependência endotelial a vasodilatadores tal como o salbutamol (albuterol). Estas observações podem ser utilizadas para avaliar a função do endotélio. O Salbutamol é facilmente administrado através de um inalador tornando este um teste de fácil realização na clínica ou no domicílio do paciente.

VOP Análise Das Informações Do Produto


O Sistema da VOP coleta informações da forma da onda de um paciente utilizando uma sonda de dedo não invasiva. As medidas provenientes do tonômetro de aplanação incluem:
• Duração de ejeção
• Índice de Aumento e Pressão Aórtico
• Taxa de Viabilidade Subendocárdica

O sistema é útil tanto para gerenciar as condições de saúde como hipertensão, diabetes e doença renal, bem como a identificação precoce de doenças cardiovasculares relacionadas.

Principais aplicações de Análise VOP

1) Identificação Precoce: Fácil e rapidamente determina pacientes em situação de risco para:
a) Hipertensão
b) Arteriosclerose (endurecimento das artérias)
c) Problemas de circulação sanguínea
d) Envelhecimento prematuro dos vasos sanguíneos
e) Perturbações nos pequenos vasos sanguíneos (aqueles não detectados por um manguito de pressão arterial)

2) Melhoria na Avaliação: Medidas da rigidez arterial uma vez que estão relacionadas a hipertensão, a diabetes, a insuficiência cardíaca

3) Monitoramento: Avalia os efeitos do tratamento por drogas.

Características do Sistema:

• Análise dos parâmetros-chave, que incluem:
    o Pressão de Pulso Aórtico
    o Pressão Sistólica Aórtica
    o Índice do Aumento Aórtico
    o Carga do ventrículo esquerdo
    o Pulso de pressão no ventrículo esquerdo e na aorta ascendente (condução do fluxo sanguíneo cerebral)
    o Pressão sistólica central (como visto pelos barorreceptores)
    o Tempo de ejeção em relação ao ciclo cardíaco
    o Pressão de perfusão arterial em relação ao ciclo cardíaco
• Avaliação da rigidez arterial e do seu impacto clínico sobre o coração
• Medida de viabilidade subendocárdica

Benefícios:

• Previsão precoce de futuros eventos cardiovascular
• Avaliação dos efeitos de drogas que não podem ser detectados com medições da pressão braquial
• Reconhecido por diretrizes internacionais como um indicador de danos em órgãos e preditor de risco cardiovascular
• Evidência clara dos efeitos de mudanças de estilo de vida e nos tratamentos com medicamentos feitos nos pacientes
• Confortável e não invasivo
• Sem a necessidade do uso de descartáveis
• Resultados em tempo real
• Automático e não dependente de operador








Aplicações Da VOP


A doença cardíaca é a doença mais comum - afeta mais pessoas do que qualquer outra doença. Muitas pessoas podem estar completamente inconscientes de que têm um problema de coração até que ocorra um acidente vascular cerebral ou um ataque cardíaco. Os fatores que levam a doenças cardíacas são variados e a lista está a crescer. Diferentes estilos de vida, tais como colesterol elevado, tabagismo e pressão arterial têm sido associados a ataques cardíacos e derrames, enquanto que a idade e diabetes são fatores determinantes conhecidos.

Todos esses fatores contribuem para a rigidez arterial que, por sua vez, restringe o fluxo de sangue forçando assim, o coração com uma carga de trabalho adicional.

A Análise da Onda de Pulso mede a pressão arterial de forma precisa e direcionada. Ela permite que os médicos possam avaliar a saúde cardiovascular e arterial com extrema precisão. Ela mede a pressão arterial ao nível do coração contra a medida da pressão em seu braço usando uma braçadeira convencional. A medição da onda de pulso dá aos médicos informações valiosas sobre a interação entre o coração e os vasos sanguíneos permitindo-lhes analisar o desempenho do seu coração.

Esta técnica revolucionária é uma prática complementar a medição utilizando a braçadeira, pois proporciona mais informações sobre a função cardíaca. A Análise da VOP é, portanto útil para uso domiciliar, em clínicas e em salas de operação. A Análise da VOP fornece aos cardiologistas, aos médicos e a outros profissionais uma visão em profundidade sobre a função cardíaca, o desempenho arterial e do coração.

Cardiologia e Clínica Geral
O Sistema da VOP se adapta perfeitamente em uma clínica ou local especializado e fornece informações valiosas sobre o paciente em relação ao vigor e ao funcionamento das artérias. Isso permite ao médico e ao paciente tomarem as melhores decisões de tratamento.

• Mostra arritmias e outras anormalidades
• Avalia o estado arterial
• Prescrever medicamentos de hipertensão mais eficazes
• Identificação precoce de riscos cardiovasculares
• Monitora a eficácia de tratamentos com drogas
• Motiva a escolha de estilos de vida saudáveis, através de resultados fáceis de entender
• Medida da pressão arterial abrangente, consistente e precisa

Exercício
Tanto para o desporto profissional ou para o condicionamento físico, a Análise da VOP fornece informações importantes em relação ao desempenho do coração e da saúde em geral. Os resultados podem ser usados para gerenciar e motivar um regime de treinamento eficaz.

• Encontrar a idade vascular (ou seja, um indicador da saúde geral arterial)
• Seguir o progresso ( determinar como os exercícios podem beneficiar a saúde geral das artérias durante um período de tempo)
• Determinar quando o corpo está aquecido e pronto para trabalhar

Hipertensão
Um simples dispositivo fácil de usar abre uma janela detalhada sobre o desempenho cardíaco e a saúde arterial, que é fundamental para o diagnóstico, com um gerenciamento e monitoramento eficaz da hipertensão.

• Medida da pressão arterial periférica e da taxa de pulso (ou seja, a medida que permite a gestão clínica da hipertensão)
• Previsão de eventos cardiovasculares através da medição da pressão arterial central (um preditor mais poderoso do que o da pressão arterial periférica)
• Determina o índice de Aumento (indicador da idade arterial, estado e resposta ao tratamento )

Farmácia
O Sistema da VOP é rápido, fácil de usar e fornece informações que os clientes irão valorizar, permitindo assim um bom relacionamento com os clientes.

• Determinar a idade vascular (ou seja, um indicador da saúde arterial geral)
• Acompanhamento dos efeitos do estilo de vida, tratamentos e medicamentos
• Informações sobre arritmias e outras anormalidades
• Medida exata da pressão arterial

Bem-Estar da Indústria
Demonstrar os efeitos de tratamentos ou programas de bem-estar na saúde geral dos pacientes através da Análise da VOP.

• Realiza a avaliação cardíaca detalhada em qualquer ambiente (por exemplo, clínica, casa, etc.)
• Oferece aos clientes um olhar em profundidade para a sua saúde
• Apresenta os efeitos de um estilo de vida saudável e acompanha o progresso do paciente

Porque Fazer Análises À Elasticidade Arterial?


Em muitas partes do mundo, como Estados Unidos e Canadá, a doença cardiovascular, na forma de ataque cardíaco e acidente vascular cerebral, é a principal causa de morte. Mais pessoas sofrem de doenças e deficiências relacionadas a problemas cardiovasculares. O custo é impressionante em gastos com a saúde e em vidas perdidas.

É de conhecimento que a saúde endotelial e o desempenho dos vasos sanguíneos estão diretamente correlacionados com a saúde cardiovascular em geral. Detecção e monitoramento do desempenho arterial a este nível permitem a intervenção precoce e a prevenção de doenças.

O envelhecimento e as doenças alteram a elasticidade e o desempenho dos vasos sanguíneos. Essas mudanças prejudicam a função pulsátil das artérias que podem levar a eventos cardiovasculares e problemas de saúde. A medida da função pulsátil, ou da velocidade da onda de pulso, fornece informações importantes para além do previsto por medições da pressão arterial convencional.

A Rigidez Arterial


A rigidez arterial descreve a complacência, ou a elasticidade, das artérias. O endurecimento ou a rigidez das artérias é referida como arteriosclerose. A rigidez arterial determina o quão forte o coração precisa trabalhar para bombear o sangue através do corpo.

Porque é que a rigidez arterial é importante?

O desempenho das artérias está diretamente relacionado com o potencial de eventos cardiovasculares, como ataque cardíaco ou infarto. A medição da rigidez arterial fornece informações sobre as grandes artérias e oferece a identificação precoce em indivíduos de risco. A rigidez arterial também tem se mostrado como sendo um preditor mais preciso dos problemas cardiovasculares do que o método convencional de pressão arterial utilizando a braçadeira.

Métodos de Medição da Rigidez Arterial
• Índice de Aumento: rigidez arterial medida com base na forma da onda de pulso
• Pressão Arterial Central: tende a aumentar com a maior rigidez arterial
• Velocidade da Onda de Pulso: mede o tempo necessário que um pulso de pressão leva para se deslocar entre dois pontos na árvore arterial
• Carótida, espessura íntima-média: ultrassom mede a espessura da parede arterial

Como a Análise da VOP mede a rigidez arterial?

A Análise da VOP é altamente eficaz em estimar a rigidez arterial. O sistema utiliza um simples e confortável sensor de infravermelhos no dedo que ira medir o tempo que leva um pulso para viajar através das artérias. A velocidade com que o pulso viaja é diretamente proporcional à rigidez arterial. O Índice de Aumento e os dados da pressão arterial central provenientes desta medida são reconhecidos como indicadores da rigidez das grandes artérias.

Como a rigidez arterial está relacionada com a pressão arterial?

Quando o coração bombeia o sangue para dentro do sistema arterial, a rigidez das artérias determina a facilidade com que o sangue é transferido ao longo do corpo. Artérias complacentes e maleáveis transmitem o sangue com facilidade e eficiência, portanto o coração não precisa trabalhar com tanta força. Por outro lado, as artérias rígidas e endurecidas produzem maior resistência ao fluxo sanguíneo, exigindo uma tributação ao coração, fazendo-o trabalhar mais. A força de cada batida e a resistência ao fluxo produzido pelas artérias determinar a pressão sanguínea.

Maneiras Para Reduzir a Rigidez Arterial

Uma vez que é determinado que a rigidez arterial é um problema, poderá ser solicitada uma série de tratamentos.
• Exercício
    o Atividade física consistente ajuda a evitar uma maior rigidez e pode aumentar a elasticidade
• Medicação de pressão arterial
    o A seleção de drogas para a pressão arterial relaxa a parede arterial, reduzindo assim a rigidez
• Novas drogas
    o A pesquisa está levando a novos tratamentos, embora o dano a longo prazo possa ser irreversível
• Tratamento personalizado
    o O médico pode prescrever uma combinação com opções de estilo de vida e tratamento

Rigidez Aórtica


A Velocidade da Onda de Pulso é fundamental para analisar o efeito da rigidez arterial na saúde em geral. É amplamente reconhecido que a rigidez aórtica é um preditor eficaz e indicador de doença e de eventos cardiovasculares.

Uma maior Velocidade da Onda de Pulso, por exemplo, em uma aorta envelhecida, endurecida, faz com que a onda refletida (sistólica) volte mais cedo para o coração. Esta medição indica um risco aumentado em três vezes de potenciais eventos cardiovasculares.

1. Aumento da Pressão Central de Pulso
O aumento da pressão sistólica central provoca estresse sobre os vasos sanguíneos cerebrais. Isto pode levar a um acidente vascular cerebral. Importante notar: esta mudança pode ocorrer sem qualquer mudança perceptível na pressão sistólica medida pela braçadeira.



2. Aumento da Carga do Ventrículo Esquerdo (Carga VE)
Como a carga do Ventrículo Esquerdo (Carga VE ) aumenta, a massa do VE e a hipertrofia do VE são acelerados e aumentados. Este aumento na carga do VE é representado pela região com as flechas pretas.



3. Diminuição da Pressão de Perfusão na Artéria Coronária em Diástole
A redução ocorre no período crítico da diástole devido à pressão que se espalha nas artérias coronárias. Isso aumenta o risco de isquemias miocárdicas.



Análise E Exercício Da VOP


Estudos mostram que a atividade física melhora a elasticidade e reduz a rigidez das artérias. Não só o exercício tem um impacto dramático sobre as artérias a longo prazo, como os efeitos positivos são visíveis e mensuráveis imediatamente. Após o exercício, o tempo necessário para a onda de pulso refletida viajar de volta para o coração é reduzido facilitando assim a carga de trabalho do coração e promovendo uma melhor saúde cardiovascular em geral. A longo prazo, as combinações de exercícios aeróbicos e atividades de flexibilidade, como ioga e Pilates têm demonstrado uma melhoria na elasticidade das artérias .

VOP Análise e Exercício

A Análise da VOP fornece valiosas informações do efeito do exercício sobre a rigidez arterial. Avaliando a condição das artérias antes do exercício, durante o exercício, após o exercício e após um longo período de tempo permite o simples rastreamento, monitoramento e análise da saúde vascular. Os dados coletados durante a Análise da VOP são úteis durante os seguintes períodos:

• Aquecimento
    o Determina a velocidade com que as artérias se dilatam em resposta ao exercício e identifica quando o corpo está devidamente aquecido e preparado para avançar para o próximo nível
• Efeitos imediatos
    o Avaliam a forma como o corpo responde ao aumento dos níveis de atividade e monitoram a resposta arterial para medir a eficiência e eficácia do fluxo de sangue
• Recuperação pós-exercício
    o Verifica o tempo necessário para as artérias voltarem ao seu estado de repouso após a interrupção da atividade
• Efeitos de longo prazo
    o Segue o melhoramento na faixa da idade vascular durante o período de tempo com base em um regime prescrito, mudanças de estilo de vida, melhoria dos níveis de atividade, etc.

Resposta Típica ao Exercício

O exercício produz uma resposta fisiológica da pressão sanguínea que pode ser medida utilizando o Índice de Aumento. Durante a atividade física, a taxa de pulso aumenta e o Índice de Aumento diminui. Entretanto, observa-se uma mudança mínima na pressão arterial durante os períodos de exercício. Uma vez terminado o exercício, tanto o índice de aumento e o pulso retornam aos seus respectivos valores de repouso.

O gráfico a seguir ilustra uma resposta típica ao exercício medindo a frequência cardíaca, a pressão diastólica e a pressão sistólica. Também descreve as alterações antes, durante e após a atividade.



Efeito do Aquecimento

Um aumento na atividade física faz com que o coração expulse mais sangue a fim de abastecer os órgãos. No início do exercício, as artérias ainda têm de dilatar. Posteriormente, a pressão sanguínea sobe, o sangue oxigenado corre para suprir os órgãos. Este desequilíbrio inicial aumenta a carga de trabalho do coração. Este aumento na atividade provoca um pico na pressão sanguínea e faz com que, em resposta, as artérias se dilatem. A dilatação arterial permite um fluxo de sangue mais eficiente que concede ao coração uma entrega efetiva do sangue por todo o corpo. A dilatação arterial também reduz a carga de trabalho do coração que faz com que a pressão arterial se normalize enquanto o pulso mantém a uma taxa elevada.

Efeito do Exercício

A atividade física produz alterações significativas no fluxo sanguíneo e na circulação. Estas alterações fisiológicas incluem o seguinte:
• Aumento da frequência cardíaca
• Alteração na pressão arterial
• Vasodilatação

Se o exercício não é parte normal da rotina diária do paciente, as medidas da VOP devem ser obtidas enquanto ele está em um estado de repouso, relaxamento. Isto produzirá uma avaliação mais precisa.

Antes do exercício:


Após o exercício:



Revisões Na Pesquisa Sobre Hipertensão


Os seguintes artigos e publicações fornecem mais informações sobre pesquisas e dados do papel desempenhado pela saúde arterial, na saúde cardiovascular.

"Redescobrindo as artérias"

John Cockcroft R e B Ian Wilkinson (2002) concluíram que a análise da rigidez arterial pode contribuir para o tratamento da doença cardiovascular. Os pedidos para futuros testes foram criados por Laurent e col. (2002) e os métodos de medição da rigidez arterial foram propostos por Mackenzie e col. (2002).

Técnicas de medição da rigidez arterial foram ainda discutidas por Oliver e Webb (2003) assim como a sua aplicabilidade e a relação com drogas cardiovasculares. Esses comentários iniciais demonstraram a importância da saúde arterial e seu papel na determinação da tensão arterial.

"Hipertensão Arterial como uma Síndrome"

Izzo (2004) apresentou a relação entre a hipertensão sistólica isolada e rigidez arterial enquanto Kass (2005) discutiu a relação entre a rigidez arterial e a função ventricular. Este assunto foi ainda extrapolado por Nichols (2005) e posteriormente por Zieman e col. (2005).

Estes importantes desenvolvimentos serviram como impulso para o lançamento de um documento de consenso de especialistas (2006 Laurent e col.) sobre métodos e aplicações na rigidez arterial. Hirata e col. (2006). Com base nestes resultados, foi discutida a evidência sobre a medição da rigidez arterial e os potenciais benefícios para o tratamento da hipertensão, Cohn (2007). Michael F O'Rourke e Hashimoto (2008) publicaram uma revisão histórica dos resultados da rigidez arterial e Franklin (2008) indicou a rigidez arterial como um novo e confiável indicador de doença cardiovascular.

"Tratar as Artérias para Gerir o Risco Cardiovascular"

P. Avolio e col. (2009) destacaram a diferenciação entre a tensão arterial central e tensão arterial periférica enquanto Nilsson e col. (2009) propuseram a gestão do risco cardiovascular com base na idade vascular. A combinação da medição pela braçadeira da tensão arterial com a nova análise da onda de pulso periférica foi descrita como o futuro da gestão da pressão arterial por Alberto P Avolio e col. (2010 ).

O Problema Clínico


De acordo com o último Atlas global sobre o controlo e a prevenção da doença cardiovascular publicado pela Organização Mundial de Saúde (2011), as doenças cardiovasculares são as principais causas de morte e incapacidade no mundo. As doenças cardiovasculares são definidas como doenças e lesões do sistema cardiovascular: o coração, os vasos sanguíneos do coração e do sistema de vasos sanguíneos (veias e artérias) em todo o corpo e no cérebro. Os fatores de risco para o desenvolvimento de doença cardiovascular incluem um histórico familiar em qualquer uma das seguintes formas:

• Doença cardiovascular ou morte relacionada com o sistema cardiovascular
• Obesidade mórbida
• Diabetes
• Colesterol alto
• Pressão arterial alta

Em adição a estes problemas hereditários, o estilo de vida desempenha um papel importante no desenvolvimento da doença cardiovascular. Fatores como tabagismo e sedentarismo também são preditores conhecidos. Na ausência desses fatores de risco tradicionais, os especialistas podem examinar a saúde arterial para avaliar o potencial risco para problemas cardiovasculares.

Uma alta proporção de doenças cardiovasculares pode ser prevenida, no entanto, as medidas devem ser tomadas mais cedo, a fim de evitar problemas. As artérias fornecem uma visão crucial no aprofundamento sobre a saúde cardiovascular para início do tratamento. Dito isto, uma vez que as artérias se tornaram significativamente obstruída devido ao acúmulo de placa bacteriana, os especialistas estão limitados em sua capacidade de avaliar a sua função e sua estrutura.

O Sistema da VOP permite aos especialistas avaliar a função arterial, numa fase inicial, a fim de identificar pacientes em risco. O rastreio precoce pode ajudar no diagnóstico inicial e/ou o tratamento de doenças vasculares subjacentes antes que se tornem problemas mais sérios. O Sistema da VOP também permite que os especialistas identifiquem os problemas e consigam uma avaliação diagnóstica altamente focalizada. Finalmente, o Sistema da VOP permite aos médicos monitorar a saúde arterial em todas as fases subsequentes para garantir que as intervenções estão a ter o efeito desejado.

Como A Análise Cardio Vascular Ajuda


Tradicionalmente, a análise cardiovascular é realizada principalmente através de exames como eletrocardiogramas (ECGs), ecocardiogramas e testes de estresse. Embora estes testes sejam eficazes na avaliação da função cardíaca, o seu âmbito é limitado para o coração e, como tal, estas medidas não oferecem informações valiosas para as artérias. Uma vez que está estabelecido que a saúde arterial está intrinsecamente ligada à função cardiovascular, a avaliação arterial é a medida ideal.

Enquanto a avaliação arterial permite uma avaliação detalhada da saúde cardiovascular, os métodos tradicionais de extração de informações tornam-se comprometidos nas últimas fases da doença cardiovascular. Isto ocorre devido ao acúmulo da placa bacteriana, que ameaça a integridade funcional e estrutural das artérias. O Sistema da VOP ignora a obstrução arterial para avaliar a função arterial com precisão e facilidade.

Assim, a análise cardiovascular por meio da avaliação arterial é significativa pelas seguintes razões:

• A investigação clínica na elasticidade arterial identificou com sucesso uma correlação entre a elasticidade arterial reduzida e eventuais eventos cardiovasculares.

• A rigidez arterial está frequentemente presente, mesmo na ausência de fatores de risco tradicionais e dados suplementares ligados com êxito à perda de elasticidade arterial em pacientes que sofrem de hipertensão, diabetes, insuficiência cardíaca ou doença da artéria coronária.

• A pesquisa indica que mudanças sutis da elasticidade arterial fornecem uma visão valiosa sobre a condição cardiovascular global. Mudanças na elasticidade arterial frequentemente precedem condições, tais como hipertensão e diabetes e essas mudanças são refletidas na forma da onda da pressão arterial.

• Os dados sugerem que alterações vasculares precedem os sintomas típicos e evidentes de doença cardiovascular e a ocorrência de ataques cardíacos ou acidentes vasculares cerebrais por muitos anos. Além disso, estudos clínicos mostraram uma relação entre a perda de elasticidade e envelhecimento arterial o que sugere que a rigidez arterial é um biomarcador inicial para a doença cardiovascular.

O Sistema da VOP permite uma fácil e não invasiva medição e análise da saúde cardiovascular. O dado resultante fornece uma visão de valor inestimável na elasticidade arterial, rigidez e alterações vasculares, que são todos os determinantes poderosos de eventos cardiovasculares. A análise clínica permite a despistagem precoce, tratamento e acompanhamento de quaisquer problemas cardiovasculares significativos.